Mercado de seguros e a pandemia

15/6/2021

Mercado de seguros e a pandemia

O Mercado de seguros e a pandemia

O setor de seguros é um dos mais resilientes que existe. Embora a pandemia gerada pelo COVID19 tenha estremecido o mundo, as expectativas para o mercado não desanimam.

De acordo com estudos da Swiss Re, ainda que lentamente, haverá recuperação e esta será movida por desafios e novas tecnologias que prometem agilizar e melhorar processos.

O momento exige de profissionais como você, um olhar super realista para o ambiente externo, por isso, acreditamos que este conteúdo será de excelente ajuda nesta nova fase que já é uma realidade.


“A experiência das crises econômicas e de saúde deste ano aumentará a conscientização sobre riscos e a demanda por proteção contra riscos em muitas linhas de negócios.”


O que aconteceu no mercado de seguros no Brasil em 2020?

Como outros negócios, o mercado de seguros recebeu o impacto provocado pela baixa da economia. Ainda assim, os dados publicados pela SUSEP mostrando a performance do setor 2020 , apontam crescimento de 15,1% em relação a dezembro de 2019, fechando o ano com aumento de 0,6% em relação a 2019.

  • Seguros de danos

alta de 9,6% em relação a dezembro de 2019, contribuindo para um crescimento de 3,6% no ano de 2020 em comparação com 2019.

  • Seguros de pessoas

apresentou, em 2020, estabilidade em relação a 2019. O seguro de vida foi destaque, com crescimento anual de 11,3%. 

  • Contribuições do VGBL 

O PGBL apresentou em dezembro um aumento de 2% em relação a dezembro de 2019, contribuindo para um crescimento de 0,8% em 2020, comparado com 2019.


As contribuições do VGBL subiram 29,2% em relação a dezembro de 2019, atingindo o patamar de R$ 14,42 bilhões de receita, maior valor mensal desde dezembro de 2016

  • Segmento Auto

apresentou melhora em dezembro, com crescimento de 6,7% em relação a dezembro de 2019.

O que esperar do mercado de seguros no Brasil em 2021?

Para 2021, podemos continuar esperando mudanças. Na realidade, o setor de seguros é pautado por mudanças constantes. 

Atualizações e criação de novos produtos e tecnologias já é algo esperado e simplesmente acontece. Os corretores sabem que evolução contínua em aprendizado e processos é um compromisso com a carreira.  O que a era pós-pandemia trouxe foi uma mudança radical do comportamento do consumidor e a forma de ser  e pensar da comunidade global, exigindo de todos os negócios adaptações muito mais urgentes. 

Veja o que diz solange vieira ( Susep )

“Por meio de ações mais “principiológicas” que “prescritivas”, como as novas normas para os seguros de Danos – massificados e grandes riscos -, que acabaram de passar por consulta pública recentemente, será permitida às empresas a criação de novos produtos e a evolução nas relações contratuais. Isso, claro, apoiados num trabalho de proteção ao consumidor. Entendemos que o novo momento vai exigir das empresas mais visão e busca de conexão com esse consumidor. Esses serão diferenciais competitivos, sem dúvida. A tendência deve ser de mais produtos e preços melhores, com mais oportunidades para todos. A inovação estará presente em todas as etapas; compreendendo isso, também implementamos durante a pandemia o Sandbox  que aproxima ainda mais as insutechs do universo dos seguros e permitirá avanços consistentes para o setor.”

Solange Vieira, titular da Superintendência de Seguros Privados (Susep) em depoimento à Fenaseg.

Como está o Mercado hoje?

Dados atualizados da SUSEP ( até abril/2021 ) já nos mostram insights animadores


1)   O setor supervisionado arrecadou R$ 92,69 bilhões nos quatro primeiros meses de 2021, o que corresponde a R$ 12,18 bilhões a mais do que no mesmo período de 2020. Em termos percentuais, o primeiro quadrimestre de 2021 apresentou um crescimento de 15,1% em relação ao mesmo período de 2020. Somente em abril de 2021, o setor arrecadou R$ 21,52 bilhões, o que corresponde a um crescimento de 36,5% em relação a abril de 2020.


2)
  Os seguros de pessoas foram responsáveis pela arrecadação de R$ 54,05 bilhões este ano, o que representa uma alta de 20,2%, ou R$ 9,09 bilhões, em relação ao primeiro quadrimestre de 2020. As contribuições do VGBL cresceram 96,7% na comparação entre abril de 2020 e abril de 2021, tendo atingido o montante de R$ 38,31 bilhões no acumulado deste ano.


3)
  A sinistralidade do seguro de vida atingiu o valor de 97,3% em abril deste ano, maior valor registrado desde 2015 e que corresponde a mais do que o dobro da sinistralidade observada em abril de 2020, quando foi de 42,5%. O seguro de vida em grupo foi um dos responsáveis por esse aumento, passando de 45,4% em abril de 2020 para 102,3% em abril de 2021.  


4)   Os seguros de danos apresentaram um crescimento de 11,8% na arrecadação de prêmios no acumulado de 2021, quando comparado com 2020. Foram movimentados R$ 26,98 bilhões nos quatro primeiros meses de 2021, face aos R$ 24,13 bilhões do mesmo período em 2020. A arrecadação de prêmios no seguro auto atingiu R$ 11,33 bilhões no acumulado do ano, valor 3,9% superior ao do mesmo período em 2020. Na comparação entre abril de 2021 e abril de 2020, houve um crescimento de 7,9% nesta linha de negócio, com uma arrecadação de prêmios de R$ 2,71 bilhões.


5)    Os seguros de riscos cibernéticos registraram receita acumulada de R$ 28,03 milhões em abril de 2021, um crescimento de 173,7% em relação ao volume de prêmios acumulados no mesmo período do ano passado, R$ 10,24 milhões. Na comparação entre as receitas de abril deste ano e abril de 2020, o crescimento de prêmios arrecadados foi de 176,6%.

Esteja sempre preparado

Nosso conselho é: nunca esteja sozinho no mercado de seguros. Nunca estaremos protegidos de mudanças no ambiente externo, elas vão surgir. O que você precisa é de um amparato profissional para que a sua corretora sobreviva. Torne-se parceiro da Baeta e receba todo o suporte necessário para a otimização dos seus negócios.