Resultado, referente ao período de janeiro a março, é o primeiro divulgado após a entrada da companhia como integrante do novo mercado na B3 Em sua primeira divulgação de resultados como companhia integrante do novo mercado na B3, o Grupo NotreDame Intermédica reportou um crescimento de 18% em sua receita líquida no primeiro trimestre de 2018 comparado ao mesmo período do ano anterior, apresentando crescimento nas três linhas de receita: planos de saúde, planos odontológicos e serviços hospitalares, este último com crescimento de 98,3%. A rentabilidade da empresa expandiu mais aceleradamente, com um crescimento de 24% no Ebitda ajustado, saltando de R$ 172 milhões no primeiro trimestre de 2017 para R$ 213 milhões no mesmo período de 2018, e um crescimento de 43% no lucro líquido ajustado, que atingiu R$ 138 milhões no primeiro trimestre de 2018. Segundo Irlau Machado Filho, presidente do Grupo, a performance deste trimestre foi marcada pelas aquisições realizadas nos últimos anos. “Os investimentos em verticalização e expansão da Rede Própria se mostraram vencedores. É importante ressaltar que, apesar dos investimentos em revitalizações de Unidades próprias (hospitais e Centros Clínicos) e das aquisições recentes de hospitais e operadoras de saúde, a companhia manteve um baixo grau de alavancagem”, ressalta. Os indicadores operacionais provam a eficácia da estratégia de verticalização adotada pelo Grupo. No primeiro trimestre do ano, 72% das consultas ambulatoriais foram realizadas na Rede Própria, contra 67% no mesmo período em 2017, reflexo das ações de internalização de consultas em novas especialidades. As aquisições e a abertura de prontos-socorros impactaram o percentual de internações na Rede Própria, que também acompanhou essa tendência, passando de 56% para 60% no primeiro semestre de 2017 e 2018, respectivamente. Houve crescimento na receita de Planos de Saúde do Grupo, que aumentou 14,0% em relação ao mesmo período do ano anterior, com destaque para o incremento de 3,1% no número médio de beneficiários – de 2,02 milhões para 2,09 milhões – mesmo diante de cenário macroeconômico ainda desafiador. Outro importante motor de crescimento foram os Planos Odontológicos. A unidade de negócios cresceu 19,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, motivado pelo aumento de 18,5% no número médio de beneficiários, que atingiu 1,56 milhões. Para Glauco Desiderio, diretor de Relação com Investidores do Grupo, “o estímulo ao cross-sell, com a venda de planos odontológicos para clientes que possuem plano de saúde, justifica o crescimento deste indicador nos últimos 12 meses. Hoje, 61,4% dos clientes de planos de saúde possuem planos odontológicos”, revela. O executivo destaca, ainda, a receita de serviços hospitalares que cresceu 98,3% em relação ao mesmo período do ano anterior e hoje representa 7,8% da receita líquida total do grupo, ante 4,7% no mesmo período em 2017.